Em Várzea Alegre, a artesã desenha, modela, corta, costura e finaliza as criações com bordados que definem as expressões e embelezam as roupinhas

A arte popular de confeccionar bonecas de pano, que esteve presente durante décadas nas feiras das cidades do sertão cearense, renasce pelas mãos da artesã Lidia Babinski, moradora do sítio Exu, na zona rural de Várzea Alegre. As peças coloridas e bem-acabadas retratam mulheres adultas e despertam a atenção de quem conhece a produção ainda incipiente.

Até agora, a artesã tem resistido à pressão de amigas para produzir em maior escala, visando à comercialização, e também para exposição em espaços de artes na Capital cearense. Aos poucos, a dona de casa percebe que é uma verdadeira artista popular, ganhando gosto e ampliando a produção feita no seu ateliê, instalado em um dos cômodos da casa.

Faço as bonecas sem compromisso, gosto dessa ocupação, é maravilhoso fazer, saio do mundo, é uma forma de entretenimento”.

O espaço onde trabalha é bucólico, agradável, próximo a um açude, em meio de mata nativa e de pássaros que cantam em árvores no entorno da casa. O silêncio só é quebrado pelos ruídos da natureza.

boneca lidiaboneca lidia
A produção de Lidia ainda não está sendo comercializada. Elogiada por amigos e apoiada pelo marido, a artesã não descarta a possibilidade de vender as peças no futuroFoto: Honório Barbosa

Foi nesse espaço que Lidia Babinski encontrou motivação para, aos poucos, ir ampliando a confecção das peças que medem em torno de 20 cm. A referência veio da avó e da mãe, que faziam, de forma simples, bonecas de pano para as filhas e netas brincarem na vida humilde no campo.

A inspiração surgiu em um momento doloroso, quando o marido, o artista plástico polonês, Maciej Antoni Babinski, radicado no Brasil desde a década de 1950, teve que viajar a São Paulo, em 2010, para tratar-se de um câncer na clínica do médico oncologista Dráusio Varela. “Era acompanhante do Babinski e precisava ocupar meu tempo. Comprei tecido, linhas e comecei a confeccionar as”.

Terapia

O passatempo ganhou forma cada vez mais aperfeiçoada e o resultado são peças admiradas pelos amigos. “Foi mamãe que me ensinou, deu a ideia, mas confesso que não gostava daquelas bonecas antigas, gordas, que não tinham bom acabamento”, pontua. A produção tosca ficou para trás e surgiram bonequinhas adultas, com seios e cinturas.

“Faço do meu jeito e aprendi só, desenho o molde, faço o corte dos tecidos, o enchimento, a costura e os bordados que definem olhos, sobrancelhas, nariz, boca. Todo o trabalho é manual”, explica Lidia Babinski. “Os vestidos são de tecidos coloridos de algodão e o enchimento é de manta acrílica, antialérgica”. Toda a matéria- prima é encontrada em lojas da cidade de Várzea Alegre, distante cerca de 20 km de sua morada.

bonecas lidiabonecas lidia
Os bordados das roupas surgem com flores do campo, pingos de chuva e raios de solFoto: Maciej Antoni Babinski

Para produzir uma boneca, Lidia leva, em média, uma semana, pois divide a atividade com os afazeres de casa. “Ainda não decidi se vou fazer para vender, estou amadurecendo a ideia”. A artesã reforça o gosto pela boneca adulta. “As crianças não vão gostar porque não é desmontável, é toda costurada”.

Lidia Babinski lembra da infância pobre no sítio Exu e da falta de brinquedos na época. Os pais eram agricultores. “A gente brincava com pauzinhos, colocava pano em um sabugo e imaginava que eram bonecas”.

lidia babinskilidia babinski
No quarto ateliê do sítio onde vive com o marido e artista plástico Babinski, em Várzea Alegre, Lidia trabalha com delicadeza em cada peçaFoto: Honório Barbosa

A produção artesanal serve ainda como terapia ocupacional, fato também reconhecido pelo marido de Lidia. “Admiro o trabalho, a força dela, a autenticidade, a originalidade absoluta, sem influência externa. É tudo muito daqui, da arte popular, da tradição que é mantida com perfeição e que me fez cunhar a seguinte frase: não seria alta-costura em miniatura?”.

Opinião

Por Dodora Guimarães*

As “sertanejas” de Lidia Babinski

Lidia Babinski guarda com carinho uma boneca de pano que pertenceu a sua avó paterna. Verdadeira relíquia de família, a boneca feita pela própria Vó Chaguinha traja um delicado modelo, cujo esmero é ressaltado pela gola que ela confeccionou com sobra do tecido do seu vestido de noiva. Ao receber das tias a joia rara, Lidia intuiu o significado da prenda. A linha da tradição deveria seguir seu curso.

Tomada pela surpresa, muitos dias à frente, ela que desenvolvia atividades outras se viu cortando moldes de corpos miúdos, comprando pequenos pedaços de tecidos vistosos, escolhendo linhas de costura e de bordados.

Como num de repente, Lidia passou a entreter seus dias na confecção de bonecas de pano. Mulher de pulso, ela transmite à sua criação o caráter que lhe cerca. Suas bonecas são verdadeiras sertanejas, fortes, elegantes e requintadas no trajar. Os bordados de seus vestidos são pingos de chuva, raios de sol, flores do campo. Numa paleta digna de uma boa aprendiz de cores e matizes.

As “sertanejas” de Lidia Babinski têm um efeito encantador: elas nos pegam num arrocho doce, de sopetão e de mansinho nos levam pro mundinho da nossa imaginação. Feito amigas de velhos tempos, elas nos parecem muito familiar, de tal modo que esquecemos que elas são feitas de pano e linha.

*Curadora e pesquisadora de Artes Visuais

Via Diário do Nordeste

Siga-me

Jornalista Ricardo Cavalcante

Informações e contato em Portal Jurema News
Jornalista sob registro Drt 3648/Ce
Quem sou: Estudante de Jornalismo pelo a universidade Estácio de Sá, sou um apaixonado por tecnologia, busco sempre novas tecnologias para deixar esse portal cada vez mais completo.
Jornalista Ricardo Cavalcante
Siga-me

Comentários no Facebook