Os dois ursos pardos-siberianos Dimas e Kátia, acolhidos no Zoológico São Francisco, em Canindé, deverão ser transferidos para o Rancho do Gnomos, localizado em Joanópolis, interior de São Paulo. Essa foi a decisão da juíza da 3ª Vara da Comarca de Canindé, Tássia Fernanda de Siqueira, atendendo Ação Civil Públicaimpetrada pela Associação Brasileira dos Defensores dos Direitos e Bem Estar dos Animais.

No processodisponível no site do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (TJCE), a Associação requer ainda a condenação do Zoológico de Canindé ao pagamento de indenização por danos morais causados ao meio ambiente.

A entidade alegou que os animais são mantidos em local extremamente diferente do habitat natural deles. A elevada temperatura, a alimentação inadequada dentre outras justificativas, estão causando sofrimento a eles, acrescentou.

Na sentença, a magistrada não define data para a transferência dos animais. Os advogados das partes serão notificados oficialmente da decisão nesta quarta-feira, explicou a supervisão da 3ª Vara Judicial.

A administração do Rancho Gnomos informou apenas que está “aguardando a finalização dos trâmites burocráticos…. para dai então, colocarmos em prática nossa operação“.

A decisão, publicada na segunda-feira (10), pegou de surpresa a população de Canindé e toda a equipe do Santuário de São Francisco, mantenedor do zoológico. Frei Marconi Linsreitor do Santuário de São Francisco, não se manifestou sobre a decisão judicial.

Santuário apenas emitiu uma Nota afirmando sempre ter sido guardião de Dimas e de Kátia, aos quais são dados todos os cuidados adequados, tendo os órgãos estaduais emitido nos últimos meses diversos laudos comprovando que não são maltratados e as estruturas onde são mantidos são adequadas para o acolhimento e convívio dos ursos.

A assessoria da Paróquia informou que o pároco, frei Jonaldo Adelino e o reitor  do Santuário, frei Marconi Lins, irão se reunir nesta quarta-feira (12) para decidirem qual providência pretendem adotar.

YouTube Preview Image

Ativista

As adaptações foram realizadas pela direção do Santuário, após a ativista Luiza Mell demonstrar interesse em retirar os animais do Zoológico de Canindé. Ela justificou que são espécies de climas frios e o nordeste brasileiro é uma das regiões mais quentes do País.

O Instituto Luísa Mell foi procurado pela equipe do Sistema Verdes Mares por meio de ligação telefônica. O diretor financeiro do Instituto, Marcelo Glauco, falou que a ONG “não vai se pronunciar agora”. Eles foram notificados e vão resolver alguns transmites, mas não quiseram dar mais informações. A ONG aguarda o resultado de uma outra ação judicial. Ele não quis dar mais detalhes.

História dos ursos

Dimas foi acolhido no Zoológico de São Francisco em 2008, a pedido do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama). Kátia chegou em 2011. Ambos foram abandonados por circos.

Zoológico de Canindé

De acordo com a administração do zoológico foram atendidas todas as exigências da Semace. Foi instalado um  corredor e câmeras de segurança na entrada de cambiamento dos ursos; o recinto onde eles ficam abrigados também foi ampliado. A exigência era de 200m². Agora tem aproximadamente 400m²; a piscina tem água fresca constantemente a até uma placa com os nomes científicos deles foi fixada.

Através de Nota ao Sistema Verdes Mares a Semace informou que todos os itens solicitados para adequação à notificação lavrada foram atendidos.

O zoológico foi inaugurado em 13 de março de 1991. Fica localizado ao lado do Parque dos Romeiros e também do Museu de São Francisco, a pouco mais de 1km da Basílica.

Dentre aproximadamente 400 animais abrigados estão répteismamíferos e avesDiariamente os bichos recebem acompanhamento de cinco tratadores. Eles seguem uma planilha de alimentação e dieta variada, de acordo com a espécie. Uma sala de nutrição e uma clínica completam a estrutura.

Diário Sertão Central. Participe pelo whats app (85) 9 8755 0154

Via Diário do Nordeste

Comentários

Deixe uma resposta