Entre dificuldades, limitações e problemas inerentes a quem depende de transporte público no País, presenciar ou passar por um ato de violência é, de longe, a situação mais temida entre os usuários. Em Fortaleza, o número de arrastões a ônibus chegou a 43 de janeiro a junho deste ano. O levantamento, do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus), se refere a assaltos cometidos exclusivamente contra passageiros.

A empresa aponta, no entanto, queda no número de assaltos aos coletivos, ou seja, aqueles em que o caixa dos cobradores é o alvo. No primeiro semestre de 2019, foram registrados 302 ocorrências, o que representa uma redução de 59% em relação ao mesmo período de 2018, quando 720 casos foram contabilizados. Em relação a 2017 a redução foi ainda maior, de 77%, quando- também de janeiro a junho – 1.319 assaltos foram registrados nos ônibus da Capital.

A atuação mais estratégica das Polícias Civil e Militar estão entre os fatores determinantes para essa redução, segundo avalia o gerente de Operações do Sindiônibus, João Luís Maciel. “A Polícia Militar está focada nos locais e áreas onde a gente indica que ocorrem os assaltos, houve um envolvimento maior da Polícia Civil para poder gerar inquérito, o próprio secretário de segurança faz reunião com a gente mensalmente, acompanha os dados e cobra dos comandantes resultados”, afirma.

O segundo fator a gerar impacto positivo no cenário, complementa, é a ampliação da oferta de carros com tarifa exclusiva via crédito eletrônico, atualmente em 30% de toda a frota. A progressão do autoatendimento, ainda conforme Maciel, tende a acontecer nas linhas onde é verificado o crédito eletrônico como a opção mais utilizada entre os usuários.

“Hoje de cada 10 pessoas que pegam ônibus 8 já pagam usando o cartão eletrônico. Com essa frota, a tendência é que o número de assaltos diminua, já que não possui dinheiro certo no carro. Das 43 ocorrências contra passageiros, somente em dois casos os veículos eram de autoatendimento”, destaca.

Via Diário do Nordeste

Comentários

Deixe uma resposta