“Imagina o meu neto crescer pensando que o irmão dele foi levado? Se for erro das clínicas, vamos aceitar, mas se tinha outro bebê, vivo ou morto, o hospital vai ter que dar conta.” A frase é da empregada doméstica Daniela Santos, mãe de uma adolescente de 15 anos, que deu entrada em um hospital do Grande Recife achando que daria à luz gêmeos, mas só recebeu um dos meninos.

Durante nove meses, a família da adolescente, que não teve o nome divulgado, achava que ela estava grávida de gêmeos. Dois exames de ultrassom, um deles feito em agosto, com oito meses de gestação, mostravam dois fetos e atestavam “gravidez gemelar”.

Além disso, nos exames de pré-natal, as médicas diziam ter escutado batimentos cardíacos de duas crianças, sendo relatos da mãe da gestante.

A surpresa e a frustração vieram durante o parto, ocorrido no sábado (7), no Hospital Guararapes, em Jaboatão dos Guararapes. Após a cesariana, os médicos disseram aos familiares da garota que havia apenas uma criança.

“Ela passou por quatro médicas no pré-natal e todas escutaram batimentos cardíacos de dois bebês. Na hora da cirurgia, disseram que só tinha um. Não quero acusar ninguém, mas quero saber onde está o erro. A família inteira se preparou. Fizemos o quarto com os nomes dos dois meninos. Agora, só tem um”, afirmou Daniela.

A família, que mora em Jaboatão, se mobilizou financeira e emocionalmente para receber as duas crianças. Na parede, foram colocados os nomes Lucas e Luan, escolhidos pela jovem mãe.

Para os parentes da adolescente, não havia dúvidas. Os exames mostravam, inclusive, posições e medidas diferentes para cada um dos fetos. O parto foi realizado na unidade de saúde, onde, segundo a família, havia uma equipe médica compatível para o nascimento de gêmeos, incluindo duas pediatras.

“Me aborreci porque demorou 30 minutos para que me deixassem entrar na sala de parto, porque estavam esperando uma segunda pediatra. Eram duas justamente, porque haveria dois bebês. Quando entrei, já estavam mexendo na minha filha. Ela já estava aberta na mesa de cirurgia. Achei estranho, porque ela é menor de idade”, declara Daniela.

Um vídeo gravado em agosto, pelas irmãs da adolescente, que também são gêmeas, e enviado pela família, mostra um trecho da segunda ultrassom realizada na jovem.

É possível ouvir a médica conversando com a paciente e se referindo à gestação como sendo de dois bebês. Ela chega a apontar, na tela, onde supostamente vê cada uma das crianças.

“A cabecinha está bem em cima, desse aqui. O outro está com a cabecinha embaixo. Esse de cá está com a cabecinha bem aqui e o outro está sentado, com a cabeça para cima”, são algumas das informações repassadas pela médica à paciente.

“Minha filha é muito fechada, mas de vez em quando ela solta frases como ´as coisas deles´, ´o quarto deles´, como se fosse mais de um bebê. Os nomes seriam Lucas e Luan e, por isso, eu quis que ela registrasse meu neto como Lucas Luan, mas ela preferiu só Lucas”, diz Daniela

Investigação

O caso chegou à Polícia Civil. Nesta quinta-feira (12), a delegada Vilaneida Aguiar, responsável pela investigação, informou que intimou duas médicas que fizeram os exames para prestar esclarecimentos.

“Eu pedi para ela [a adolescente] trazer a ultrassom original e vou ao Instituto de Medicina Legal [IML], para pedir uma perícia nesses exames e para o médico constatar se são dois bebês. A gente também oficiou o hospital para informar onde está o corpo médico que atuou no parto”, afirma a delegada.

Ainda segundo Daniela Santos, o neto e a filha dela passam bem e receberam alta hospitalar. Segundo ela, o que a família espera, agora, é o esclarecimento dos fatos, para que possam buscar justiça.

“Fiz o registro na polícia e agora está nas mãos da justiça. O hospital diz que eu acompanhei todo o parto, mas quando entrei, minha filha já estava aberta. Eu só vi nascer um bebê, mas eu não estava preocupada com o que eles estavam fazendo, e sim sobre como minha filha estava”, diz Daniela Santos.

Resposta

Por meio de nota, o Hospital Guararapes informou que o parto ocorreu sem intercorrências e que, “diante dos exames de ultrassonografia realizados pela paciente em outras instituições e que demonstravam que ela estava com gestação gemelar”, preparou equipe assistencial “incluindo, médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, compatível com o procedimento de cesariana.”

O hospital afirmou, ainda, que “a mãe da paciente estava presente no parto de sua filha e assistiu a todo o procedimento da equipe médica, desde o início da incisão para a cesariana até a saída do bebê e acompanhou todo o ato cirúrgico bem como a surpresa de toda a equipe ao constatar que havia apenas um bebê.”

Segundo a unidade hospitalar, a mãe “também acompanhou os procedimentos de verificação da equipe médica no intuito de ter a certeza de que não havia outro bebê, sendo, de fato, constatado que não se tratava de uma gestação gemelar.”

Por fim, o Hospital Guararapes informou que está à disposição das autoridades para quaisquer esclarecimentos.

Siga-me

Jornalista Ricardo Cavalcante

Informações e contato em Portal Jurema News
Jornalista sob registro Drt 3648/Ce
Quem sou: Estudante de Jornalismo pelo a universidade Estácio de Sá, sou um apaixonado por tecnologia, busco sempre novas tecnologias para deixar esse portal cada vez mais completo.
Jornalista Ricardo Cavalcante
Siga-me

Comentários no Facebook