Nas redes sociais, as fotos e trocas de mensagens entre Francine Rigo dos Santos e Marcelo Augusto Araújo demonstram afeto e carinho de um casal que celebrou a união há pouco mais de três meses. Na contramão do que mostram as imagens, o assassinato de Francine em Várzea Paulista a 53 quilômetros de São Paulo, confessado à polícia pelo companheiro, deixou amigos e familiares da maquiadora perplexos e indiganados.

Segundo a polícia, a morte de Francine foi arquitetada pelo marido. Ele teria alterado a cena do crime para que amigos e familiares acreditassem que ela tivesse se matado e ele se suicidado na sequência. A família da jovem, porém, desconfiou que estivesse ocorrendo algo de errado com Francine.

A maquiadora não atendia ligações e não respondia mensagens pelo celular. Nesse momento, parentes de Francine decidiram ir até a casa em que o casal vivia. No local, arrombaram a porta e a encontraram morta no sofá.

Na casa, Marcelo estava inconsciente ao lado do corpo de Francine. Ele tinha ferimentos nos pulsos e no pescoço. A polícia foi chamada e ele foi, então, encaminhado ao Pronto Socorro de Várzea Paulista. Marcelo também foi levado à delegacia, onde teria confessado o crime.

Em depoimento, ele teria dito que matou Francine utilizando uma lâmina de barbear e depois escreveu uma carta e assinou o nome do casal, como se fosse um duplo suicídio. As redes sociais de ambos é repleta de troca de mensagens e fotos comemorativas do casal.

Motivação para o crime

Em uma publicação nas redes sociais de Francine, no dia 23 de dezembro, em que Marcelo teria se passado pela companheira ele escreve: “oi, gente tenho um desabafo a fazer sobre meu casamento: sinto muito lhes dizer que não aguento mais toda pressão psicológica que minha familia e a do ma (apelido para se referir ao companheiro) fez contra nossa união.”

“Não somos tão perfeitos, mas sentimos algo ao nos casar que não sabemos explicar. Talvez o fato de sermos melhores amigos ajudou bastante nossa união porque a gente é bem apegado. Ele fez eu sentir algo que ninguém mais fez, mas mesmo assim não é a mesma coisa se a família não aceita porque queríamos todos próximos”, diz a publicação.

“Fingimos que nao sofremos mas já foi demais tudo isso pra mim e pro Ma. Queremos paz, e nosso casamento será eterno. O Natal não é o mesmo sem todos juntos.” Segundo a polícia, a publicação que ele atribuiu à Francine servia para evitar dúvidas sobre a carta a mão escrita por ele.

Além do fato citado nas mensagens, de que os familiares não apoiavam o relacionamento, a motivação do crime estaria ligada a uma possível gravidez da companheira. Para isso, um laudo que confirma a gestação ficará pronto em 30 dias.

Marcelo deve responder por feminicídio e com agravante de ocultação de cadáver e motivo fútil. Se for comprovado que Francine estava grávida, a pena que é de 12 a 30 anos, pode aumentar em até 45 anos.

Comentários de conhecidos e amigos de Francine nas redes sociais afirmam que ela estava há algum tempo sem falar com a família por conta do relacionamento e que ele era uma pessoa ciumenta.

Fonte: R7

Jornalista Ricardo Cavalcante
Siga-me

Comentários no Facebook