O prefeito Naumi por meio de suas atribuições legais renovou o decreto municipal de isolamento social, entretanto flexibilizou o funcionamento de serviços essenciais, através das redes sociais a prefeitura publicou o que poderá funciona diante da renovação do decreto municipal (linhas municipais), dentre eles a prefeitura destacou o transporte público, tendo como ressalva as orientações do ministério da saúde e da organização mundial da saúde (OMS), quanto a higienização dos veículos duas vezes ao dia e a disponibilização de álcool gel.

A renovação do decreto tem validade por mais 7 dias, a prefeitura seguiu o mesmo caminho do governo do estado, entretanto flexibilizando sobre tudo para os profissionais que tem sua atividade mantida.

Vejam o que pode funciona durante a validade do decreto de isolamento social municipal.

“O isolamento da população é o meio mais eficaz para conter a rápida disseminação do COVID-19, reduzindo a curva de crescimento da doença e, assim, permitindo que as unidades de saúde não entrem em colapso na capacidade de atendimento”, afirmou Moacir Soares, secretário municipal de saúde de Caucaia. 

No decreto, fica suspenso o funcionamento de templos, igrejas e demais instituições religiosas; cinemas e outros equipamentos culturais, públicos e privados; academias, clubes, centros de ginástica e estabelecimentos similares; lojas ou estabelecimentos que pratiquem o comércio ou prestem serviços de natureza privada; “shopping center”, galeria/centro comercial e estabelecimentos semelhantes. Também fica vedada e interrompida a “frequência a barracas de praia, lagoa, rio e piscina pública ou quaisquer outros locais de uso coletivo e que permitam a aglomeração de pessoas”.

Bares, restaurantes e lanchonetes que funcionem no interior de hotéis, pousadas e similares, podem funcionar desde que os serviços sejam prestados exclusivamente a hóspedes. Os estabelecimentos poderão funcionar apenas por serviços de entrega, inclusive por aplicativo. O descumprimento do decreto acarretará a aplicação de multa diária de até R$ 15.000,00 (quinze mil reais).

O decreto não veda os órgãos de imprensa e meios de comunicação e telecomunicação em geral, serviços de call center, os estabelecimentos médicos, odontológicos para serviços de emergência, hospitalares, laboratórios de análises clínicas, farmacêuticos, psicológicos, clínicas de fisioterapia e de vacinação, distribuidoras e revendedoras de água e gás, distribuidores de energia elétrica, serviços de telecomunicações, segurança privada, postos de combustíveis, funerárias, estabelecimentos bancários, lotéricas, padarias, clínicas veterinárias, lojas de produtos para animais, lavanderias, e supermercados/congêneres.

Jornalista Ricardo Cavalcante
Siga-me

Comentários no Facebook