O Ceará registra, nos primeiros quatro meses do ano, 628 casos de dengue a mais que no mesmo período de 2019. Foram 11.165 casos notificados até 20 abril, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Saúde (Sesa) no último dia 30. O período refere-se às primeiras 16 semanas epidemiológicas de 2020. Apesar da alta nas notificações de dengue, outras arboviroses tiveram quedas significativas. Para zika foram 945 casos apontados (uma redução de 50,8%), enquanto para chikungunya foram 118 (- 56,7%).

Desde o início do ano, a taxa de incidência de casos notificados está abaixo da média para o Estado, tendo “ultrapassado discretamente” na primeira quinzena de fevereiro. A coordenadora de Vigilância Ambiental da Sesa, Roberta de Paula Oliveira, explica que a queda para as arboviroses pode ser atribuída “ao trabalho intensivo dos municípios até dezembro de 2019 para atingirem os critérios do incentivo do governo”. Desde 2018, o programa Todos contra o mosquito rateia R$ 10 milhões entre os municípios que atingem seis critérios para o controle das doenças disseminadas pelo Aedes aegypti. Entre os requisitos está realizar o Levantamento Rápido de Índice (Lira) para o mosquito.

No início do ano, todas as cidades cearenses mediram a presença do Aedes em seu território. Destas, oito apresentaram alta infestação, enquanto 75% (138) obtiveram índice satisfatório. Os focos do mosquito predominaram nos depósitos localizados ao nível do solo (como cisterna, tambor e tanque), seguidos pelos depósitos móveis (vasos ou pratos de plantas, bebedouros de animais etc.). “A população deve estar atenta a sua residência. O mosquito totalmente adaptado ao nosso Estado e, tendo qualquer mínimo depósito de água, ele estará lá”, adverte Roberta. Apesar das dificuldades postas pelo isolamento social necessário para combater a Covid-19, todos os municípios seguem orientando o trabalho dos agentes e as visitas nas áreas prioritárias.

Quanto à distribuição geográfica, Fortaleza concentra os maiores números para as três arboviroses. A Capital tem 2.037 casos confirmados de dengue, 40 de chikungunya e o único de zika confirmado no Estado. Os municípios de Ipaporanga, Pacoti, Umari e Milagres também são destacados pela pasta de Saúde por apresentarem mais de 300 casos de dengue a cada 100 mil habitantes.

Fonte: O Povo

Jornalista Ricardo Cavalcante
Siga-me

Comentários no Facebook