Uma família acusou uma equipe de médicos da Santa Casa de Misericórdia, em Belém, de provocar a morte de seu bebê por decapitação
 
A cabeça do bebê foi arrancada durante o parto normal, embora uma cesariana tivesse sido recomendada pela mãe por conta de problemas de saúde do feto. Conforme informações do UOL, a mulher, de 26 anos, estava com oito meses de gravidez e chegou ao hospital por volta das 6h da manhã, transferida de ambulância.
 
“O médico de Ourém encaminhou para Belém, com um papel que dizia que o bebê só poderia nascer se ela fosse operada”, afirma o marido da moça, de 25 anos. A jovem estava acompanhada de uma amiga, que teria presenciado toda a situação.
Segundo o boletim de ocorrência, a jovem grávida esperou por mais de três horas até ser levada para a sala de parto.
 
“Eles estavam esperando para ver se ela tinha passagem, mesmo sem ela poder ter normal”, diz o marido.
 
O governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), usou o Instagram para informar que mandou afastar todos os envolvidos que participaram do atendimento e pediu à Polícia Civil para apurar o caso.
 
A Polícia Civil abriu um inquérito para investigar as causas e identificar os responsáveis, para eventuais punições.
 
Fonte : Portal Do Holanda
Jornalista Ricardo Cavalcante
Siga-me

Comentários no Facebook