Uma cadela nasceu na semana passada no Hospital Veterinário de Neel, em Oklahoma, nos Estados Unidos, com seis patas e duas caudas. As condições, monocephalus dipygus e monocephalus rachipagus dibrachius tetrapus, geralmente fazem com que os filhotes sejam natimortos.

Contudo, nesse domingo (21), a instituição publicou uma nota nas redes sociais informando que a cachorrinha, chamada de Skipper, sobreviveu após o parto e, ao que tudo indica, ela é o cão que sobreviveu por mais tempo com os distúrbios.

“Ela mama bem e está está crescendo adequadamente até agora. Todas as suas pernas se movem e respondem aos estímulos como um cachorrinho normal”, escreveu o hospital.

O hospital ressaltou, também, que os órgãos da cadela parecem estar “em boa forma” e que ela passará por acompanhamento especial durante a vida para continuar a vida com normalidade. “Vamos continuar pesquisando e monitorando a condição dela”, diz o texto.

Agora, Skipper está “bem, e em casa”, de acordo com a nota. Veterinários da instituição explicaram que “é provável” que ela teria uma irmã ou irmão, mas os corpos não se separaram no útero da mãe e, por isso, ela desenvolveu as raras condições.

Fonte: O Tempo

Jornalista Ricardo Cavalcante
Siga-me

Comentários no Facebook