A ossada humana encontrada por populares na manhã de segunda-feira numa cova rasa no Sítio Barreiro Grande na zona rural de Crato, só foi exumada na manhã desta terça-feira. O trabalho foi lento e desenvolvido por militares do Corpo de Bombeiros com o acompanhamento de policiais civis e a perícia criminal. O homem foi enterrado com o capacete na cabeça o qual apresentava perfuração supostamente de um projétil e, na ossada dos pés, ainda estavam as botas de vaqueiro um tanto estragadas.

O tempo presumível do sepultamento é de oito meses a um ano. Sobre as pernas se estendeu vasta raiz de uma árvore. Policiais e peritos encontraram uma carteira sem documentos e apenas cartões de advogados. As características são de um homicídio com desova do cadáver mediante ocultação e os restos mortais recolhidos num saco preto, devendo serem encaminhados para exames mais aprofundados na Pefoce de Fortaleza. Naquela área de Crato não há informações sobre pessoas desaparecidas.

Este foi o terceiro homicídio no mês de abril em Crato e o 19º do ano no município. O último tinha acontecido na noite do dia 5 de abril, na Rua Monsenhor Albino perto da Encosta do Seminário, onde foi executado a tiros José Caio Lopes de Sousa, de 17 anos, o “Menor Caio” que residia na Rua Monsenhor Esmeraldo no bairro Pinto Madeira. Ele não tinha passagens pela polícia e, na tentativa de fugir dos algozes, foi lesionado nas costas por dois homens que fugiram numa moto.

Por Demontier Tenório
Miséria.com.br

Jornalista Ricardo Cavalcante
Siga-me

Comentários no Facebook