Os primeiros 10 dias do ano de 2022 foi marcado por demora nos atendimentos médicos de urgência e emergências nas Upas de Caucaia, os usuários relatam inclusive que funcionários precisaram acionar equipes da Polícia Militar pra conter os animos de alguns pacientes.

Em nota a fundação Leandro Bezerra responsável pelo a administração das Upas informou que a demora no atendimento foi em virtude de uma demanda acima da média entre 1 e 10 de Janeiro, a nota ressaltou também que a unidade operou com quadro normal de médicos e profissionais e que não houve redução no quadro efetivo de funcionários.

A nota ressalta ainda que a Secretária Municipal de Saúde deu total apoio, chegando inclusive a oferta mais médicos para auxiliar nos atendimentos da unidade, ainda segundo a nota da fundação, a unidade subiu da média de 250 atendimento diários para 350 o que acabou gerando demora no atendimento.

Vejam a nota na integra “

A Fundação Leandro Bezerra de Menezes (FLBM), Gestora UPA Jurema, informa que devido ao atual cenário de síndromes gripais no Ceará, o número de atendimentos na Unidade, cresceu de 250 para 350, em média, do dia 1 ao dia 10 deste mês. 
 
Ressaltamos que a Unidade segue com Equipe Médica completa, realizando todos os atendimentos, de acordo com a classificação de risco do paciente. 
 
Temos contado, ainda, com o total apoio da Secretaria de Saúde do Município de Caucaia, que vem disponibilizando mais médicos, para melhor atendermos a atual demanda.” disse a fundação Leandro Bezerra.
 
Relatos de paciente falando da demora não foi dificil encontra, inclusive várias equipes de reportagem estiveram na unidade mostrando o drama enfrentado por que procurou a unidade.
 
Situação da saúde em outras cidades
Em Fortaleza a situação não foi diferentes, muitas pessoas procurando as Unidades de Pronto Atendimentos (Upa), muitos apresentando sintomas gripais e acabou gerando longas espera.
Os relatos foram parar nas redes sociais, onde pacientes cobravam mais respeito por parte das unidades e do poder público, atualmente o Ceará enfrenta além da pandemia da Covid-19 a influenza que vem deixando muitas pessoas debilitada e precisando de atendimento médico.
Jornalista Ricardo Cavalcante
Siga-me

Comentários no Facebook